(33) 3234-1225
Estação Atual
106,5 fm
Leste

NO AR
17:00h às 19:00h
PAIOL ORIENTE

Noítica

Postado por Oriente Fm em 10/02/2017 às 13:24


Clubes da Série A serão obrigados a ter equipes femininas em 2018, define novo regulamento


Investir no futebol feminino passará a ser uma obrigação dos times que disputam a Série A do Campeonato Brasileiro a partir de 2018. É o que determina o novo Regulamento de Licença de Clubes publicado pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol).

O documento delimita condições para que as agremiações nacionais disputem as principais competições organizados pela entidade (Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil), bem como os torneios geridos pela Conmebol (Libertadores, Recopa e Sul-Americana).

Segundo o regulamento, as medidas são gradativas, entrando em vigor para os clubes da Primeira Divisão já no ano que vem. Times que disputam a Série B deverão se adequar às regras até o ano seguinte, e assim sucessivamente, até 2021.

O documento não garante a profissionalização das jogadoras, mas obriga o fornecimento de suporte técnico, equipamentos, campo para treino e calendário de partidas e competições oficiais. Caso não possa ou não queria criar a própria equipe feminina, o clube requerente da licença poderá firmar um acordo de parceria com uma agremiação já existente.

Além disso, cada clube deverá incentivar – também por iniciativa própria ou através de parceria – o desenvolvimento de ao menos uma equipe feminina nas categorias de base. Por fim, fica definido que os times deverão ter técnicos “com formação e habilitação compatíveis e certificação da CBF, como, por exemplo, a Licença A”.

As diretorias de Atlético e Cruzeiro, clubes de Minas Gerais que disputam atualmente a Série A do Campeonato Brasileiro, ainda não se manifestaram sobre a possível criação de suas respectivas equipes femininas.

O Galo chegou a ter um time feminino e conquistou cinco Campeonatos Mineiros da categoria entre 2006 e 2012, mas encerrou as atividades da categoria no início de 2013, já no segundo mandato do ex-presidente Alexandre Kalil.

Categorias de base

Outro critério estabelecido pelo documento de 33 páginas é uma maior atenção à formação de jogadores para o futebol masculino.

De acordo com o regulamento, “o clube requerente deverá demonstrar que conta, formalmente, com um programa de desenvolvimento das categorias de base”, incluindo informações detalhadas sobre capital humano, infraestrutura física, recursos financeiros e até o desempenho escolar dos jovens atletas.

Segundo a CBF, as novas regras foram instituídas “a partir da necessidade de existência de um sistema nacional eficiente para incentivar o desenvolvimento estrutural e a adoção de melhores práticas de gestão, transparência e equilíbrio financeiro pelos clubes”, entre outros.

FONTE: Henrique André e Cristiano Martins esportes@hojeemdia.com.br